Perigo em nova onda de COVID-19 para quem já teve a doença preocupa autoridades

A variante P1 do coronavírus pode está preste a gerar uma nova onda da pandemia. A variante rebatizada de gamma pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pode fugir dos anticorpos da infecção natural, o que indica uma possibilidade de nova infecção para aqueles que já contraíram o vírus. Os estudos informaram que a gamma não consegue escapar dos anticorpos produzidos pelos imunizantes usados no Brasil.

A principal preocupação dos cientistas e a porcentagem pequena da população imunizado com a segunda dose da vacina. Apenas uma dose não garante uma imunidade contra o vírus, e até o momento 10,74% da população foram vacinados com duas doses. E segundos estudos, a variante, originada no Rio de Janeiro, foi quem deu início a segunda onda da pandemia, e que pode se livrar dos anticorpos gerados pela Sars-CoV-2.



Vacinação é a única forma de impedir contágio

No entanto, a P1, identificada em Manaus, vem se alastrando com muito intensidade neste ano, causando milhares de vítimas no Brasil.

De acordo com Roberto Lins, coordenador do estudo e pesquisador da Fiocruz Pernambuco, a variante P1 teve uma grande importância na segunda onda, mas se tivermos uma terceira onda os números poderão ser ainda maiores com a possibilidade de reinfecções.

Nova onda da Covid-19 pode ser catastrófica para o Brasil, alerta Fiocruz

Ainda segundo Lins, a gamma está novamente passando por um processo de evolução e pode adquirir uma maior resistência contra os ataques dos anticorpos. Ele também informou que os imunizantes até o momento continuam tento a sua eficiência.

Também disse que o Brasil tem todos os fatores necessários para uma terceira onda. E só teremos uma segurança quando 75% da população brasileira tenham sido imunizados com a segunda dose da vacina.

Por fim o pesquisador disse que não se sabe quem pode ou não escapar da gamma, e que é necessário um maior número de vacinados.



Escrito por Rose