STF toma decisão e Bolsonaro é obrigado a ‘seguir as regras da casa’ na investigação em que é réu

Nesta sexta-feira (11), o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o presidente da República Jair Bolsonaro preste depoimento presencial na investigação que apura as denúncias feitas pelo ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, a respeito de suposta interferência de Bolsonaro nas ações da Polícia Federal.

O presidente deverá prestar depoimento nos próximos 30 dias, período em que foi prorrogado o inquérito, que foi aberto no mês de maio. De acordo com o ministro Celso de Mello, por se tratar  de um réu no caso, Bolsonaro não poderá usufruir do privilégio de ser interrogado por escrito.

Como justificativa de sua decisão, o ministro afirmou que o depoimento realizado por escrito só é colocado à disposição dos Chefes dos Três Poderes da República que ocupem a posição de testemunhas ou vítimas.

A investigação se iniciou após denúncias realizadas pelo ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça, Sergio Moro. De acordo com ele, Bolsonaro estaria interferindo nas ações da Polícia Federal de acordo com seus interesses pessoais, ou seja, para proteger a si mesmo e seus aliados.

O atrito culminou com a saída de Sergio Moro do ministério em plena crise instaurada pela chegada da pandemia do novo coronavírus ao Brasil, agravando ainda mais a situação política em que Bolsonaro se encontrava.

Fonte: Revista Fórum



Escrito por Higor Mendes