Vacina Oxford/Astrazeneca: por que segunda dose é mais demorada? Quais as reações?

Quando uma criança começa a se vacinar depois do seu nascimento, é normal que a atenção seja redobrada e levam meses para finalizar a vacinação. O motivo é que cada imunizante tem um efeito, tempo e números de doses diferente. E para que o sistema imunológico da criança permanece confortável, é preciso dar um intervalo entre os imunizantes.

Vacina de Oxford prevê a aplicação de duas doses - Matthew Horwood Colaborador Getty Images



COVID-19

Quanto os imunizantes contra o Covid-19 começaram a ser distribuídos, surgiram algumas duvidas e uma delas foram o motivo da CoronaVac e a Oxford, trem intervalos diferentes a cada dose.

O porque da vacina inglesa ter um intervalo maior? Como eles determina o tempo entre as doses?

Segundo o presidente do Comitê de Imunização da Sociedade Paraibana de Pediatria, Socorro Martins, cada vacina tem seu tempo necessário para que o organismo consiga desenvolver uma resposta imunológica necessário.

E claro que cada uma das vacinas foi testada ainda quando estavam em desenvolvimento para que cada uma tenha um intervalo adequado entre a primeira e a segunda dose. Quando estão sendo testadas, cada uma delas optam por analisar alguns cenários específicos para avaliar a resposta do sistema imunológico.

A Oxford optou por acompanhar a resposta imunológica com um maior tempo, entre um e três meses. E o resultado também levou a um espaço de tempo maior.

Um estudo apresentado pelo The Lancet, indica que entre 22º e 90º dias, a aplicação da dose tem uma maior eficiência entre 76%, com os três meses até a segunda dose, a eficácia aumenta para 82,4%.



Escrito por Rose